sábado, 21 de novembro de 2015

Existem dias...

Existem dias que nao passam...
Existem dias que nao sao dias...
Existem dias que são escuros...
Existem dias que me sinto à deriva...
Existem dias que estas em todo o lado...
Existem dias...vazios.

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Não sei....

...se a vida é curta
Ou longa demais para cada um de nós,
Mas sei que nada do que vivemos
Tem sentido, se não tocamos o coração
das pessoas.
Muitas vezes basta ser:
Colo que acolhe,
Braço que envolve,
Palavra que que conforta,
Silencio que respeita,
Alegria que contagia,
Lágrima que corre,
Olhar que acaricia,
Desejo que sacia,
Amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo,
É o que dá sentido à vida.
É o que faz que ela
Não seja nem curta, nem longa demais,
Mas que seja intensa,
Verdadeira, pura...enquanto durar.
-  Cora Coralina -

domingo, 15 de novembro de 2015

12...

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               

terça-feira, 3 de novembro de 2015

# Reflexão Chegou o meu tempo...

Ontem alguém me disse uma coisa que andei com ela o dia todo a bater-me na cabeça.
Ser humano tem uma tendência inata na busca explicações para que nos ocorre na vida. Uma tendência humana, natural e realça a sede do porquê. As vezes não temos capacidade, estamos bloqueados, afogados, presos em que tudo sai ao mesmo tempo. Sem capacidade de pensar, raciocinar…respirar. Estamos envolvidos nas coisas, mergulhados num novelo de lã onde não encontramos as pontas. Este ato, tantas vezes de desespero, leva-nos a sair de nós e a buscar explicações no que está fora de nós, chama-se a isto fé, crença, ou simplesmente saída. E é aqui que a nossa mente nos pode pregar uma partida. Em vez de explicação, de ir ao fundo do que somos, a nossa mente dá-nos o que queremos, mas é tão-somente um analgésico que tira a dor momentaneamente…

Existem cadeias repletas de assassinos convictos dos seus atos
Existem bibliotecas cheias de livros que explicam e validam nossas acções…mas as bibliotecas também estão cheias de livros que rejeitam e reprovam essas mesmas nossas acções.
Existem frases que nos dão apoio às nossas atitudes,…mas existem frases que também rejeitam e reprovam essas mesmas atitudes.
Existem músicas que cantam os nossos sentires,…mas existem canções que reprovam esses mesmos palpitares.

A nossa tendência natural, é pegar naquela que mais é adequada à nossa situação e que na grande maioria das vezes validam nossas ações, atitudes e estados de alma. É sempre à escolha do nosso ânimo e zona de conforto.
Concordo com este tipo de “técnicas” como fator motivador, não acredito que sejam explicação para a nossa vida. Buscamos fora de nós, no outro, no que nos rodeia…quando a verdadeira resposta está sempre dentro de nós.
Por mais sofrimento que nos traga, por mais incómodo que seja, é fundamental pararmos, entrarmos em nós, mergulhar na imensidão no nosso eu, com as nossas limitações e virtudes, com as nossas misérias e dores…e parar, em silencio, de forma transparente, despimos o nosso eu exterior e entrar na imensidão profunda da nossa essência…e deixarmo-nos ouvir, deixar ouvir os berros ou a acalmia da nossa alma, as nossas fragilidades, aquilo que é nosso…e calmamente deixarmos falar o nosso eu! Uma conversa do eu para eu, franca e verdadeira. E a resposta aparece, vai aparecer, pode não ser à primeira, mas vai aparecer. Pode ser incómoda, dorida, dolorosa, miserável…pode aparecer em forma de erro, de incapacidade, de revolta…é como soltar o “monstro” que temos dentro de nós…apenas temos de ter a coragem de sermos verdadeiros e honestos connosco próprios. E isto, muitas vezes, dá medo, porque ter a capacidade de ouvir o nosso profundo eu, é um ato de coragem, mas que pode ser doloroso.
Depois, depois ficamos soltos, leves, ponderados e acima de tudo…conscientes do ponto em que nos encontramos. E a partir daí aceitarmo-nos como somos, totalmente despidos de preconceitos e soltamos as amarras que nos prendem a nós mesmos. Se erramos, ter a noção que faz parte do processo. Se der para reparar, fazê-lo o mais rápido possível, se não der…pedir desculpa e aprender, melhorar e crescer.
Se perdemos a capacidades de sermos humildes, verdadeiros e despojados com o que somos, estamos a adiar um sofrimento que vai de novo aparecer mais adiante, e normalmente aparece sempre de forma mais violenta e dolorosa. Todos os desvios que tentamos justificar com coisas exteriores ao que somos, significa que, acima de tudo, não estamos a ser honestos com nós mesmos e vamos carregar esse fardo de dor para o resto da vida.
As nossas respostas estão sempre dentro de nós, no nosso profundo ser. Podemos enganar-nos a nós próprios por algum tempo, mas não por muito tempo.
Chegou o meu tempo de mergulhar nas profundezas de mim.

Chegou o meu tempo…

“Perdemo-nos” porque nos calamos…

Não me perdi em palavras, no querer, no desejo e paixão, em sentimentos, na vida, na confiança, não me perdi na ilusão, perdi…perdemo-nos porque nos calamos...

Calar? Não! Nunca mais!
Falar, partilhar…exteriorizar tudo sem esperar.

A melhor forma de proteger alguém, é falar, partilhar...falhei. 

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

# Reflexão: A vida é tão rara…

Paciência é um movimento interior que tem o poder de nos fazer entender a vida e as delicadezas do tempo.
Mergulhar no coração da paciência, entender a raridade da vida é estranho mas não deixa de ser belo quando ficamos atentos a perceber a raridade da vida. Muitas vezes nossos olhos tão apressados não nos conduzem ao coração dessa raridade.
Muitas vezes matamos a nossa vida ou matamos a oportunidade de viver bem porque não somos capazes de fazer a leitura correta do que é que o tempo e nos pede. Em cada dia o tempo vai-nos pedir alguma coisa e é esse olhar atento que nos vai dando essa clareza de perceber o que hoje grita e chama por mim. Qual é a realidade que hoje é inadiável? As vezes somos tão negligentes na percepção disso que desperdiçamos tempo colocando nosso empenho numa realidade que não era para aquele momento. Torna-se importante desenvolver a habilidade de dizer “não” e dizer “sim” porque essa é uma habilidade que só a maturidade nos trás, porque as vezes somos imaturos e não sabemos ver as urgências do tempo. Vivemos numa ilusão. Não! Antes de tudo, preciso perceber o que é que a vida esta a pedir de mim! Porque nem sempre o outro, aquilo que posso fazer para agradar o outro está em consonância com aquilo que a vida está a pedir de mim. Mesmo que por crescermos, temos de ter a coragem de cortar muitas coisas. Quantas vezes na minha vida me empenhei em coisas erradas? E depois não temos como sermos Felizes! Depois não podemos descobrir um contentamento sabendo o que meu empenho não foi onde deveria ser. O que nos faz sentir bem, é olhar para o contexto das minhas escolhas e ficar confortável com aquilo que foi escolhido. A nossa maneira de viver, às vezes prívamos dessa percepção. Estamos muitos estranhos a nós mesmos. Nunca temos a capacidade de dar tudo, e fazer as coisas que se devia/podia ser feitas, mas resta a consciência de uma entrega pura e sincera para podermos libertar a dor…e muitas vezes o problema está do outro lado, porque quem recebe perde-se na insegurança de pensamentos estranhos e palavras embrulhadas que a vida não dá nem representa a realidade. Vivemos entalados entre dois mundos, o real, o verdadeiro e o imaginário, aquele que nos cega e não deixa ver…ver o que está mesmo à frente dos nossos olhos e dentro do coração. Focar no essencial e no verdadeiramente importante e sacudir o acessório é a chave da vida e da felicidade. Somos responsáveis pelo que dizemos, não podemos ser responsáveis pelo que o outro percepciona.

De um desconhecido…
De um desconhecido que também anda à procura de si mesmo com uma necessidade imensa de se encontrar no tempo, neste meu tempo…no fim, todos temos o direito de sermos felizes, e cada um sabe o que vai cá dentro...a vida é tão rara…


Alguém disse...


Cuidado! 
Alguém disse que pode ser uma ilusão...
[In Amar de olhos abertos]

domingo, 1 de novembro de 2015

Diz-me o que sou para ti...

...devia ser esta a tua pergunta.
Amar também é puxar o outro quando ele se desvia, alinharmo-nos, questionar, falar, ser fontal. Nunca se pode deixar aumentar a dúvida quando o nosso sentimento é puro e verdadeiro (já estou a falar de mim). Comecei por aí, começamos por aí! Eu sei quem sou, conheço-me e daí “quando disser ou fizer alguma coisa que te deixe na dúvida, pergunta! Não penses.” Lembras? Possivelmente nem lembras, mas é um momento que tenho gravado dentro…foi único! Perdi-me nas minhas certezas e tu perdeste-te nessas mesmas certezas!  Tu aí, o meu suporte, meu amparo, a minha razão, minha âncora, minha raiz…eu agarrado a ti, quando tu já me soltavas ao vento. Não deixa de ser irónico, mas de certa forma tem sentido o que dizes, o que já não entendo [nem vou entender], porque face à “pedra que tinhas no teu sapato”, simplesmente não falaste! Alimentaste a dúvida, e quando esta se alimenta, ela cresce, ela cega e deixamos de ver, perdemos a noção da realidade e começamos a valorizar mais o que separa daquilo que junta. Nunca disse que eras um erro, foste a minha maior certeza. “Já errei tudo o que tinha que errar”, no contexto que foi dito só significava que estava de corpo e alma contigo, não estava metido num caminho sem destino com vontade de “experimentar” e saltar fora se não desse. Comecei com medos, inseguranças, desapegado…mas rápido ganhei certezas. Agarrei-me a ti, ficaste em mim! Somos responsáveis pelo que dizemos, não somos responsáveis pelo que o outro escuta ou entende…e quem escuta, se tem duvidas, apenas tem de perguntar! Um oceano de mal entendidos, que podiam ter sido tão facilmente resolvidos...
Errei, sim errei! Claro que errei! Erro de esperar, esperar o momento que na minha cabeça fazia sentido, por querer encontrar momentos perfeitos para poder expressar tudo o que cá ia dentro. Errei o não exteriorizar o quanto eras o centro de mim! Errei quando te quis proteger (já nem sei o que isso significa). Errei não ter definido esses objetivos que fui construindo, porque apenas os queria dizer olhos nos olhos, esses mesmos objetivos que também tu os sentias e também não dizias. Errei por me ter apoiado em ti (e nem imaginas quanto), errei por não ter a capacidade de discernir e deixar-me perder naquilo que se passava a minha volta.


Pode parecer, mas não quero ter razão. Não me serve de nada, nunca pretendi ter, apenas quero perceber e sair deste ponto onde estou. 

[ Continua…]

Novembro...


Não sei onde estou...
Não sei onde me perdi...
Não sei onde me encontrar...
Não sei para onde ir...