segunda-feira, 25 de abril de 2016

Nosso eu

Manter o meu eu, esse eu interior, porque esperar não é a melhor forma de ser livre, muito menos depender nossas esperas do que não controlamos. Entre fazer o que quero e o que está correto, por mais que custe, escolho e escolherei sempre o segundo. Não vou impor a minha presença a quem não a necessita, nem opinar sobre que não sei, muito menos julgar. As perguntas dão respostas, a partilha dá significado.

A coisa mais difícil que temos de fazer é sermos nós mesmos nesta vida. Digo ser fiel a nós mesmos. Não nos deixarmos levar pelo sistema, pelos outros, comunicação social, redes sociais, pelo caminho, pelas inseguranças, pelo medo…estamos neste ponto? Eu já menti muito a mim mesmo para não ser o “estranho”, para agradar, para me encaixar, para ser aprovado, apreciado…e como doeu! Hoje as pessoas não têm medo de não serem livres, sentir a dor e de mentir. Eu hoje sei onde esta a minha liberdade. Está dentro, não fora! A minha liberdade foi assumir o que amava, o que fazia a minha alma pulsar, o que passava aqui dentro. A vida é um eterno comprometer-se em nos tornarmos no que somos…precisamente no momento quando todos querem ir para um lado e o teu coração te pede para ires para o outro…quando todos fazem as coisas de uma forma, e o teu interior te diz que não é por aí…! Isso acontece-nos todos os dias, na verdade traímo-nos nas pequenas coisas. Vamo-nos “treinando” diariamente em não escutar essa voz interior e depois dizemos que não temos intuição e capacidade de “ver”. É necessário ser firme, ter coragem, e ficar connosco. O mundo vai querer tirar o nosso centro…o verdadeiro centro que está no interior, não no exterior.

1 comentário:

Anjopoesia Anp disse...

Ouça sempre o seu EU, tenho certeza que nunca erraremos, é nossa essência, parabéns pelo espaço...